segunda-feira, 11 de outubro de 2010




A cortina que separa as minhas canções das tuas por um momento esvoaçou ao vento.
Então vi que a luz da tua manhã estava repleta das canções mudas que eu jamais cantei...
Pensei que as aprenderia aos teus pés, e sentei-me, em silêncio...

Um comentário:

Lauro C. Pedot disse...

Oi...

Tuas poesias são maravilhosas!

Adoro ler teu blog!